Notícias

Informe-se e atualize-se sobre o que esta acontecendo no mercado!

Newsletter

cadastre-se....






6 SET
2008
Tomografia por emissão de pósitrons pode detectar câncer em estágio inicial.
Tomografia por emissão de pósitrons pode detectar câncer em estágio inicial.

A tomografia computadorizada expõe o relevo do corpo e permite aos médicos concluir pela existência ou não de doenças com base na análise da anatomia: uma massa irregular pode indicar um tumor cancerígeno, por exemplo. Já a tomografia por emissão de pósitrons detecta doenças com base no metabolismo do corpo e por isso consegue identificá-las em um estágio mais prematuro.

Um tumor cancerígeno ativo, por exemplo, absorve muita glicose. Antes de submeter-se a essa tomografia, o paciente recebe uma injeção de fluordesoxiglicose, uma glicose radioativa. O exame, feito uma hora depois, mede a absorção dessa substância pelo organismo. Se alguma área --que, em situação saudável não costuma consumir muita glicose-- passa a absorvê-la exageradamente, é sinal de doença.

"Hoje em dia esse exame é considerado básico para detectar e tratar câncer", diz o médico José Soares Júnior, chefe do serviço de medicina nuclear do InCor (Instituto do Coração), do Hospital das Clínicas, e presidente da Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular. A tomografia por emissão de pósitrons é usada principalmente para detectar e avaliar a evolução do câncer --ela consegue detectar tumores a partir de 4 milímetros, tamanho em que outros exames não identificam.

Mas também é capaz de detectar outras doenças, sempre com base no consumo de glicose. O cérebro é um exemplo. Saudável, ele consome muita glicose. Se o exame indica pequena absorção, é sinal de doença --Alzheimer, provavelmente, o que poderá ser confirmado por outros testes.

O miocárdio, músculo situado no coração, também consome muita glicose em situação normal. A tomografia por emissão de pósitrons costuma ser feita, nesses casos, após um infarto. Se indicar pouca absorção de glicose, é sinal de que o miocárdio não está mais funcionando e qualquer intervenção para reativá-lo será inútil. Mas, se houver consumo de glicose, valerá submeter o paciente a uma cirurgia para tentar fazer com que o músculo funcione.

Preço.

O exame é caro --custa cerca de R$ 3.500-- e mesmo os convênios de saúde muitas vezes não cobrem seu custo. Devido ao preço e a uma questão burocrática, mesmo com tantos benefícios, até há pouco tempo o exame não era realizado no Brasil.

Quem precisava dele viajava para os Estados Unidos ou a Europa --desde que tivesse dinheiro para isso. A primeira máquina capaz de realizá-lo chegou ao InCor em 2003, mas até hoje o SUS (Sistema Único de Saúde) não paga pelo exame na rede pública.

A questão burocrática se refere à produção da glicose usada no exame. Como é um material radioativo, até 2006 sua manipulação era exclusividade estatal. Naquele ano foi permitido que empresas particulares também o produzissem, mas até hoje só há uma fábrica, em São Paulo. Como a substância tem vida útil de menos de duas horas, é praticamente impossível transportá-la a tempo para outros Estados.

 

Fonte: Agora São Paulo por Fábio Grellet

 

Parceiros

Cimas Diagnósticos por Imagem
TR - Tecnologia Radiológica
Imaging Online - Olhando pelo seu futuro!
desenvolvido pela agência d.Tavares